Políticas públicas… de juventude?

Caio Marçal

Para alguns, falar em política é um papo “sinistro”. Talvez piore quando somos incentivados a participar dela! Mas vamos pensar um pouco sobre a realidade da juventude brasileira e a relação com nossa responsabilidade cristã.

Somos mais de 50 milhões de pessoas, mas apenas 20% possuem algum tipo de ocupação. São poucos os que têm acesso à educação de qualidade e apenas uma pequena parcela é premiada com a entrada numa universidade. O jovem brasileiro sofre com a violência e ainda há um enorme fosso que divide as diferentes juventudes, fruto da desigualdade social. Nesse quadro cinzento, é fácil chegar ao resultado dessa equação social: exclusão, miséria, falta de perspectiva e, em alguns casos, marginalidade.

Em 2005 foi criado o Conselho Nacional de Juventude — CONJUVE. Mas por que participar? Não seria uma tarefa para “políticos profissionais”? Talvez sejam essas as perguntas que estão fervendo em nossos miolos evangélicos.

Nosso chamado para viver a fé passa pelo envolvimento nas questões que desafiam nossa geração. Em sua encarnação, Jesus mostra sua preocupação com a condição dos excluídos e com o resgate da dignidade das pessoas. Em “Ouça o Espírito, Ouça o Mundo” (ABU Editora), John Stott afirma que “ele participou profundamente de nossa condição de seres humanos. Nunca se afastou das pessoas que se esperaria que ele evitasse. Foi amigo dos marginalizados e até mesmo tocou os intocáveis. Não poderia ter sido mais igual a nós. Foi a total identificação de amor”.

Cremos que a fé evangélica, antes de ser protestante, é uma fé de propostas. Propomos o reino de Deus e sua justiça. Afirmamos o valor da vida como eixo maior de nossa proclamação. Nossa missão aponta que todo jovem, independente de sua condição, é precioso por estampar em sua vida a imagem e semelhança do criador.

A experiência de representar a Rede Fale no CONJUVE nos ensinou a ouvir os clamores da juventude em suas mais diversas faces. Num espaço onde diálogo é a palavra-chave, aprendemos o quanto é salutar compreender as demandas colocadas em pauta. Nosso desafio presente é vencer a tentação de ocupar esses espaços olhando para o próprio umbigo e ter a humildade de escutar, sempre movidos pelo amor que sentimos por nossa gente.

Devemos ser os mais interessados na qualidade de vida dos jovens e propor alternativas que curem a nossa sociedade. Jesus convoca-nos a servir e dar a vida. Que essa seja nossa agenda para mudar a realidade que nos desafia.

• Caio Marçal, cearense, é secretário de mobilização da Rede Fale e estudante do Centro Evangélico de Missões, em Viçosa, MG.

Anúncios

Um comentário sobre “Políticas públicas… de juventude?

  1. George 09/20/2010 / 11:47 pm

    Faaala mestre Caio,

    Cara, vc citou um livro que há muito quero ler. Ouça o Espírito, ouça o mundo, do sr. John Stott.

    Legal que nunca se falou tanto sobre política e importancia de voto em nossos celeiros evangélicos. Por mais que muitas vezes o que motiva os debates sejam oportunismos e alarmismos desnecessários, mas só em ocorrer debates já é algo que vale a pena ressaltar!

    Enfim, grande abraço cara!

    🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s